Entre em contato

|

Siga-nos nas redes sociais

Clareamento de Consultório com a utilização do Clareador Pola Office+

O sorriso é amplamente valorizado na sociedade e contribui significativamente para a aparência e a apresentação pessoal. As técnicas de clareamento dental são vantajosas por proporcionar bons resultados estéticos e pela conservação da estrutura dentária, mas também apresentam limitações e riscos. Por isso, é essencial que o profissional entenda as diferentes causas das alterações de cor dentária e seus efeitos etiológicos para selecionar o agente e a técnica de clareamento mais adequados.

As alterações de cor nos dentes são classificadas em extrínsecas, causadas por fatores externos, e intrínsecas, que são congênitas ou adquiridas e se incorporam diretamente à estrutura do dente. As manchas intrínsecas geralmente requerem clareamento ou procedimentos mais invasivos, como desgaste ou restaurações dentárias.

Os agentes clareadores funcionam principalmente por oxidação de compostos orgânicos. São instáveis e liberam radicais livres, como o oxigênio nascente, que oxida pigmentos dentários, clareando-os e transformando compostos pigmentados de carbono em grupos hidroxila incolores.

Devido à alta concentração desses agentes, um problema comum é a sensibilidade dentinária. Para minimizar isso, clareadores como o Pola Office incluem dessensibilizantes em sua composição, como o nitrato de potássio, que atua nas terminações nervosas bloqueando a transmissão dos impulsos nervosos e proporcionando alívio da sensibilidade.

Portanto, o relato a seguir detalhará cada etapa do clareamento de consultório realizado com o clareador Pola Office da SDI, destacando os procedimentos e considerações envolvidas no tratamento. 

RELATO
DE CASO

Paciente FFP, 22 anos de idade, sexo feminino, compareceu à clínica integrada da UFRN, queixando-se da aparência estética do seu sorriso. Questionando sobre seus hábitos, a paciente relatou não ter vícios, como tabagismo e uso demasiado de café. Também não relatou trauma ou uso de antibióticos frequentes. No exame extraoral não relatou nada digno de nota, ao passo que no intraoral foi observado alguns desgastes incisais, devido ao bruxismo que a paciente relatou.

O paciente foi instruído sobre as recomendações pós-clareamento e o protocolo clínico utilizado, ela se comprometeu a cooperar e o seguinte protocolo clínico foi executado:

PROTOCOLO CLÍNICO:
1. Profilaxia dos dentes com pedra pomes e água;
2. Seleção da cor com a escala Vita Clássica (Vita Zahnfabrik, Bad Säckingen, Alemanha), conforme Fotografia 2;
3. Proteção dos tecidos moles (afastador labial ArcFlex e SDI Ggival Barrier), conforme figura 3;
4. Preparo do material clareador (conforme o fabricante);
5. Aplicação do gel clareador 3 vezes (Pola Office sem uso de luminosidade);
6. Remoção do gel com sugador e água (após 5 min.);
7. Remoção da barreira gengival e da proteção labial;
8. Lavagem com água;
9. Aplicação do Desensibilize;
10. Recomendações ao paciente.

O método utilizado para a administração do gel clareador foi o recomendado pelo fabricante, com três aplicações de oito minutos cada. Logo após, houve a remoção do gel e aplicação do dessensibilizante conforme as fotos sequenciais.

Na primeira sessão, a paciente já se mostrou satisfeita com o seu sorriso. Ao compararmos a escala Vita, observamos que já houve mudança significativa de cor, bem como uma translucidez incisal. Nessa paciente, fizemos três sessões com espaço de sete dias entre elas, e chegamos ao resultado conforme a sequência das imagens. 

CONCLUSÕES

O clareamento realizado com a fórmula única de peróxido de hidrogênio a 37.5% requer um tempo mínimo na cadeira do dentista, com o tempo total do procedimento sendo inferior a 30 minutos. Este breve período de tratamento na cadeira proporciona mais conforto e satisfação para o paciente, melhorando a produtividade e rentabilidade do consultório. A rápida liberação dos íons é crucial para o início eficiente do processo de clareamento. Além disso, a inclusão de nitrato de potássio na composição do clareador ajuda a reduzir a sensibilidade, contribuindo para a satisfação do paciente com os resultados do tratamento.
REFERÊNCIAS

1. Bispo LB. Clareamento dentário contemporâneo “high tec” com laser: uma revisão. Revista Odonto Ciência – Fac Odonto/PUCRS
2006; 21(51).
2. Conceição EN. Dentística: saúde e estética. Porto Alegre, Artes Médicas Sul; 2000.
3. Baratieri LN, Junior SM, Andrada MAC, Vieira LCC. Clareamento dental. 1.ed. São Paulo: Livraria Santos; 1993. p.4-7.
4. Baratieri LN. Clareamento dental. São Paulo: Santos; 1995. 

autoria
do caso

Matheus Dantas
Natália Garcia
Boniek Borges

Produto
em Destaque

pola office+

CASOS CLÍNICOS
RELACIONADOS

Uso Do Diamino Fluoreto De Prata Riva Star Aqua 38% No Tratamento Da Lesão De Carie

Leia Mais >>

Clareamento Dental e Substituição de Restaurações para Melhorar a Estética do Sorriso

Leia Mais >>

Clareamento de Dentes Vitais Com Peróxido de Hidrogênio de Alta e Baixa Concentração: Relato de Caso Clínico

Leia Mais >>

Reanatomização Estética Anterior Com Resina Composta

Leia Mais >>

Clareamento de consultório resultado de excelência em apenas 2 sessões

Leia Mais >>

Restaurações posteriores com sistema Zipbond e Aura Bulk Fill

Leia Mais >>